.

.

Transformadores

.

Post 13

.

.

Postado:

Fonte:

05/08/22

Somos Diversidade

.

Formada em Letras e sou Analista de RH. Iniciei minha carreira profissional, em 2007, na antiga Dedic Mobitel, trabalhando em uma empresa de telemarketing, registrada como Representante II, prestando serviços para a Vivo na área de retenção. Na terceira empresa registrada, a Uranet, também de telemarketing, iniciei meu processo de transição, em 2009, onde sofri alguns atos de transfobia na empresa e decidi sair de lá. Após esta empresa, não consegui mais entrar no mercado de trabalho, pelo fato de exigir ser tratada como mulher, mesmo não tendo a retificação dos meus documentos, o que me fez ficar 3 anos fora do mercado de trabalho formal. Voltei em 2012 para o mercado de trabalho formal, trabalhando na empresa Teleperformance prestando serviços para a Sky, na área de atendimento ao cliente, que apesar de não ter disponibilizado, na época, crachá e identificação no sistema com o meu nome social, disponibilizou um certo apoio setor do jurídico para que eu pudesse utilizar o feminino e atender as ligações usando o meu nome social. Nesta empresa, fiquei no período de 1 ano e 5 meses, sendo que no período de 1 ano recebi três promoções, tendo 2 aumentos salariais, chegando a Assistente de Backoffice auxiliando a Sky nos processos recebidos dos clientes pela Anatel, Procon e JEC, acompanhando as reclamações recebidas, buscando a melhor solução para a situação reclamada e auxiliando os advogados realizando briefing dos cadastros dos clientes para obterem mais informações no processo. Após este período, recebi um convite para ser funcionária Sky, realizando as mesmas atividades, porém fiquei no período de 3 meses na empresa. No ano seguinte, em 2014, me dediquei na minha formação em Letras e neste período trabalhei como estagiária em uma escola pública, trabalhando com alfabetização, durante 1 ano. Em 2015, voltei a trabalhar na Teleperformance, porém em outro cliente, atendendo os clientes da financeira Cred-System, auxiliando nas dúvidas de faturas, 2ª via de boletos e fatura, vencimentos, valores cobrados e demais serviços envolvendo a financeira, no período de 9 meses. Buscando aprimorar meu conhecimento profissional e buscar vagas relacionadas na área que eu buscava, administrativa, fiquei ausente do mercado durante 1 ano e 2 meses. Em agosto/2016 fui contratada pela empresa Resource IT Solutions (atual Qintess), como Analista Administrativo Jr., para prestar serviços para a Natura criando o projeto chamado Núcleo de Tratativas de Irregularidades, que teria um olhar no comportamento de Consultores de Beleza Natura nos ambientes digitais, referente a divulgação de seus ambientes de vendas digitais. Permaneci nesta área no período de 3 anos e 9 acompanhando a utilização da marca Natura, caso identificasse alguma divergência contratual, entrava em contato dando as devidas orientações e auxiliando na forma correta de utilizar a marca Natura. Acompanhava as publicações realizadas no Facebook, Instagram e demais Mídias Sociais, os anúncios realizados nas plataformas de links patrocinados (Google Adwords, Bing Ads, etc.), divulgações por E-mail Marketing, sites, blogs, acompanhava publicações atreladas a links de redirecionamento compulsivo, direta ou indiretamente, sites de cupons de descontos divergentes da regra, redirect e demais situações que impulsionava visitantes para o ambiente digital de vendas de forma irregular. Após a divulgação da nova marca Qintess e a implementação de valores baseados nas práticas ESG (Enviromental Social and Governace), em maio/2020 recebi o convite para migrar para a área de Capital Humano e realizar a implementação da célula ESG – Diversidade e Inclusão dentro da Qintess, com olhar humanizado para as nossas pessoas, criando ambientes seguros e diversos, fomentando a diversidade nos serviços e nas contratações, trazendo tanto o olhar para Sustentabilidade quanto para Pessoas, cargo este que ocupo atualmente. Posso compartilhar meus hobbys. Sou uma cantora não profissional, cantar pra mim é uma forma de expressar meus sentimentos e o que está preso na garganta. Tenho três bebes o Heros, a Lily e a Barbie, que são meus gatinhos companheiros e que alegram os meus dias. Sou uma pessoa que tenta ser gamer, apesar de não ser muito boa e gosto de aproveitar os momentos que a vida trás, pois são deles que eu aprendo, cresço e evoluo. Quais as maiores conquistas e os maiores desafios em sua vida/carreira? A minha maior conquista, que também está ligada aos meus maiores desafios, foi ser respeitada como uma mulher nos ambientes das empresas que passei. Sempre precisei brigar para conquistar o meu espaço, ser respeitada como Josiane, por isto criei armas e armaduras que me protegiam. Quando entrei na Qintess (antiga Resource) em 2016, tive uma quebra de armaduras total, pois tanto a empresa quanto o cliente, se prepararam para me receber e não precisei brigar por nada. Costumo dizer que eu vivia em dois mundos, um que era o ambiente de trabalho, no qual era eu mesma e vivenciava a minha essência e a minha realidade, e a minha casa, quando morava com a minha mãe, que nunca me aceitou como mulher e sempre buscava afirmar uma masculinidade que não existia em mim. Agora eu moro sozinha e o cenário mudou, a realidade que envolve a minha mãe é bem menor agora. Ser uma pessoa trans foi dificultador ou não teve importância nesta sua trajetória? Muito, nos três momentos que fiquei fora do mercado de trabalho e buscava a reinserção, já passei por várias entrevistas que a pessoa que estava me entrevistando, adorava o meu perfil, me passava na vaga, mas quando eu ia entregar os meus documentos, surgia o tão famoso “deu um probleminha na sua contratação, vamos te ligar posteriormente” e ou nunca ligavam, ou ligavam e falavam que a pessoa que me entrevistou se equivocou na hora de escolher os candidatos e que eu não tinha perfil para a vaga, sendo que eu tinha todas as competências para realizar as atividades. Isso não foi apenas uma vez, foram várias vezes. Outra situação, é que eu passava com sucesso, eles queriam me contratar, só que quando eu exigia ser respeitada como Josiane e ter a minha identificação, crachá, utilização do banheiro feminino, eu rejeitava a vaga pelo fato das empresas não quererem aceitar isso. Na Sky aconteceu algo um pouco parecido, pois eu fiquei 3 meses e nesses 3 meses eu não tive e-mail, acessos e nada, pelo fato de exigir que viessem com meu nome social, acredito que a minha demissão se deu por isso e não por baixa performance, que foi a justificativa utilizada. Para as pessoas e profissionais trans, que recado você deixaria? Nunca desista de quem você é, para conseguir um status ou uma colocação no mercado de trabalho, se a empresa que você está ou que está tentando entrar, não te aceita como você é, não valerá a pena se moldar a ela apenas para ter um emprego. Hoje, o mercado de trabalho está totalmente diferente de 13 anos atrás, existem empresas que valorizam a diversidade e investe nisso, então se baseie nessas empresas, nos prêmios que ela tem ganhando, na forma que ela se posiciona publicamente e como seus colaboradores falam dela. E lembre-se você não está sozinha, sozinho ou sozinhe. Para a sociedade, qual recado você deixaria? Precisamos entender que não somos seres únicos e moldados, não fomos formados através de uma única forma. Somos seres diversos e o que nos torna especial é essa diversidade que temos, então parem de tentar nos encaixar em padrões politicamente corretos, pois é uma utopia ilusória que só traz mal e destruição. Precisamos viver a nossa liberdade e a nossa essência, pois é através dela que seremos pessoas melhores. Então se libertem dessas algemas e vivam a sua verdade sem se incomodar com a verdade do outro, vivam a sua essência sem tentar oprimir o outro. FACEBOOK INSTAGRAM LINKEDIN



Compartilhar esta página
 

  • Whatsapp
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • LinkedIn


Conteúdo relacionado
 

.

.