.

.

Transformadores

.

Post 205

.

.

Postado:

Fonte:

05/08/22

Somos Diversidade

.

Sou Product Owner, Scrum Master, Engenheira de Software Especialista, entre outras coisas. Bom eu comecei a trabalhar lá por 1996, numa rádio aqui de Porto Alegre, isso tem apenas significância pq foi meu primeiro contato com tecnologia, nos computadores dessa rádio, dai nisso comecei a me interessar cada vez mais pelo assunto, até que uma amiga pediu para eu fazer uma site pra ela, e eu mal sabia o que era uma url, mas fiz, ficou até que bom para aquela época 🙂 , dai comecei a me aprofundar mais e mais, fiz vários curso, que eram bem simples para falar a verdade, apenas davam um norte de um aprendizado maior, em 2002 sai desse emprego e fui trabalhar de verdade com programação, felizmente meu primeiro emprego as pessoas eram muito bacanas, e por incrível que pareça tinham mulheres trabalhando com desenvolvimento, digo isso pq hoje ainda é complicado, imagina na época, e nisso fui aprendendo cada vez mais, tecnologias, linguagens, etc, e me desenvolvendo, lembro que era muito fácil eu trocar de emprego, todo o privilégio de que uma figura masculina demonstra torna isso muito fácil, mas quando comecei a transição, tudo acabou, lembro que logo que fiquei desempregada, e fui demitida justamente por intolerância, sei disso pela reação da gerente de RH, que chorou comigo pelo acontecido, mas isso é outra história, dai fui procurar emprego, nisso minhas qualificações sempre faziam match com os requisitos da vaga, porém ao ir fazer as entrevistas, tudo mudava, com isso decidi que não iria passar por um episódio de intolerância novamente e sempre que eu aplicava para alguma vaga, avisa que eu eu era, da minha transição e pedia que se a empresa ou alguém da empresa tivesse algum problema com pessoas trans, LGBTs, que desconsiderassem minha candidatura, senão ficaria muito feliz em continuar, funcionou perfeitamente, nunca mais fui selecionada para vaga nenhuma, nisso fiquei quase um ano sem emprego, cheguei a passar fome, só não foi pior que amigas me ajudaram, com comida e pagando minha luz. Foi um momento complicado mas passou, quando consegui emprego novamente minha prioridade era além de continuar a transição tbm arrumar minhas coisas, minha vida. Hoje felizmente tá tudo indo bem, até que provem o contrário rsrs, estou empregada e consegui realizar muitas das coisas que sempre quis. Quais as maiores conquistas e os maiores desafios em sua vida/carreira? Maior conquista é conseguir ter o reconhecimento dentro da minha experiência na área, pois era um desafio enorme as pessoas acharem que você não é preparada somente por ser uma pessoa trans, em vagas de emprego você é desqualificada quase que imediatamente, ou querem apenas te empregar por ser uma pessoa trans fazer número e pagar muito pouco. Ser uma pessoa trans foi dificultador ou não teve importância nesta sua trajetória? Fui muito dificultador, como expliquei no texto de história profissional, pois muitas portas, vagas, etc, se fecham, e o sentimento de impotência e revolta acabam virando um veneno para você mesma, e isso precisa ser tratado, que é o que tive que fazer por muito tempo após conseguir me reerguer. Para as pessoas e profissionais trans, que recado você deixaria? Sei que é complicado, mas estudem, no que você tenha interesse, para conseguir ter uma independência financeira e principalmente independência emocional, para que sua vida dependa apenas de você, não de outras pessoas. Por isso busque sempre se aperfeiçoar, pois para uma pessoa trans é 20x mais difícil conseguir sobreviver, quiçá vencer numa sociedade como a nossa, precisamos estar juntas para construir um futuro em que sejamos vistas como cidadãs, partícipes da sociedade, e não mais a margem dela. Ninguém tem o direito de dizer quem você é ou quer, apenas você pode saber disso. Para a sociedade, qual recado você deixaria? Não tenho medo. INSTAGRAM LINKEDIN TWITTER MEU SITE MEU CANAL YOUTUBE



Compartilhar esta página
 

  • Whatsapp
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • LinkedIn


Conteúdo relacionado
 

.

.