.

.

Transformadores

.

Post 125

.

.

Postado:

Fonte:

05/08/22

Somos Diversidade

.

Profissional de Letras – Inglês e respectivas literaturas na mesma língua (UNESA), Pedagoga (UERJ), Profissional de Letras – Vernáculas e literaturas de língua portuguesa (UNESA), Especialista em Orientação Educacional, Supervisão Educacional e Inspeção Escolar (SSVP), Especialista em Gênero e Sexualidades (IMS/CLAM/UERJ) e Professora de Teatro e Inglês no ensino básico e de Informática na Educação no Ensino Superior (UERJ). Incansável em ser profissional, para não enlouquecer ou morrer, acreditei ter desistido de muitas profissões, até que entendi que havia sido expulsa de muitas delas. Eu sempre preferi dormir em paz, até perder um filho de 5 anos de idade aos 20 anos, à época. Foram 15 anos de busca e muita dor, entre procurá-lo e sobreviver a exclusão social de minha existência, a invisibilidade enquanto moradora de rua e a minha dor de pai que perde desonestamente um filho, para a mentira em nome de “deus”. Quais as maiores conquistas e os maiores desafios em sua vida/carreira? Acho que tenho 3 grandes conquistas: Ser a profissional de cabelo e maquiagem responsável por atender Elza Soares em Londres quando ela ganha o prêmio de cantora do milênio da BBC de Londres. Esse evento repercute uma fotografia minha que facilitará o reencontro com meu filho único, 15 anos depois de ser retirado de meu convívio. O segundo foi a homenagem de um grupo trans/lésbico, chamado Slam das Minas do Rio de Janeiro, dizendo junto a dois mil professores durante a Reunião da ANPED em 2019, que a travesti “Sara York” é um exemplo de professora e da educação do Brasil, em um palco lotado e cujo orador seria o grande intelectual Boaventura de Souza Santos. E o terceiro, poder ser avó, pai, travesti e Doutora em Educação, em uma só sentença, coisas que me foram negados enquanto sonho por toda a vida e em 2020 posso gritar! Os três maiores desafios: O (curto) tempo que temos após termos certa maturidade, não ter uma família que estivesse continuamente presente e assim criando referencias e por fim, a solidão que nos amadurece ao passo que nos endurece, uma vez que lutar contra uma lógica que sempre lhe remete ao anormal , te rotula e marca! Ser uma pessoa trans foi dificultador ou não teve importância nesta sua trajetória? Se eu pudesse nascer mil vezes, mil vezes eu seria Sara! Foi extremamente complexo mas assumir a transfobia culturalmente me imposta, foi essencial para minha aceitação própria. Pude fazê-lo cedo, ainda jovem tendo uma grande travesti preta, como professora, amiga a aliada. Para as pessoas e profissionais trans, que recado você deixaria? Se a fortaleza fosse essencial, os dinossauros estariam vivos e não as baratas! Adaptabilidade é a chave para vida, ninguém e nenhuma opinião valerá mais que a sua, crie parcerias de potência e lembre-se, amigxs dizem “não”! Por outro lado, nunca rejeite conselhos das manas mais experientes, o mundo é difícil, mas existem muitas pessoas boas, sobretudo travestis e ninguém será mais didática e amiga para uma trans/travesti que uma travesti que lhe tenha como amigx. Eu tive e tenho várias amigas trans, elas me livraram da dor e da exclusão no passado e hoje são aquelas que comemoram ao meu lado, as minhas vitórias! #somosúnicas e ninguém lhe entenderá como elas! Quando falo com as mais velhas aprendo sobre o que quero e aquilo que devo ou não fazer, quando falo com as mais jovens aprendo sobre coisas que minhas sensações não permitiam enxergar, em todas ganho alguma coisa, na maioria das vezes ganho sabedoria com suas experiências. Para a sociedade, qual recado você deixaria? Sou avó e tenho um filho de 30 anos. Eu quero contar outras história que não sejam de dor e exclusão, ou onde as minhas grandes vitórias não precisem ser interpeladas por um “mas”, como foi ao longo da vida. Importante dizer que não basta ser trans ou travesti e estar em meio ao cis-tema. É preciso colocar-se como pessoa trans e/ou travesti que desmonta esse CIS-tema. Outro ponto acredito, seria o fato de ainda poucas terem o comprometimento de visibilizar outras pessoas trans. Estamos trabalhando, eu e mais centenas ou milhares de pessoas trans em todo Brasil, que por vezes não me conhecendo, já educaram sujeitos que conhecerei no futuro. Mais de 130 nomes, acresço a lista de pessoas trans que devem ser mencionadas aqui. INSTAGRAM https://midianinja.org/news/professora-trans-ensina-ingles-com-batidas-de-funk/ MEU CANAL NO YOUTUBE



Compartilhar esta página
 

  • Whatsapp
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • LinkedIn


Conteúdo relacionado
 

.

.