.

.

Transformadores

.

Post 54

.

.

Postado:

Fonte:

05/08/22

Somos Diversidade

.

Sou Relações Públicas e intérprete de Libras (Língua Brasileira de Sinais). Também sou cantora.  Comecei trabalhar aos 11 anos de idade na década de 80, fiz parte de uma ONG que ficava na rua Voluntários da Pátria em Santana SP, a ong nós encaminhava para trabalhar de empacotadores em supermercados como guardinhas Mirins, trabalhei por dois anos quando ia completar 14 anos me promoveram para trabalhar no grupo Pão de Açúcar como balconista na loja da Praça Panamericana meu primeiro trabalho registrado e também início de um ano de terror, aprendi como o preconceito e o machismo nos machucam de várias formas nessa idade eu não entendia muito referente questões de sexualidade e orientação, estamos falando do final dos anos 80, nesse trabalho sofri assédio moral e abuso, foi traumatizante e trouxe complexos até os dias de hoje, ninguém deveria passar por isso principalmente uma criança entrando pra sua adolescência, a situação foi tão tortuosa que tive que sair, nunca tive coragem de contar pra minha mãe nem pra ninguém oque vivi ali, mas aprendi também que não podemos desistir nunca, fui trabalhar depois na rede Drogasil no Drostore do Alphaville lá também não foi muito diferente sempre fui muito delicada e isso de alguma forma irritava os homens que me tratavam como lixo na frente dos outros e quando tinham oportunidade me assediavam, o gerente deste trabalho me assediou de uma forma que com ódio por eu não Seder ele me colocava num latão enorme de lixo pra separar resíduos, uma forma de me humilhar e deixar claro quem mandava, eu e minha família sempre fomos humildes e o trabalho era de suma importância, por isso me sujeitava a tamanha humilhação até que as 16 anos e meio eu saí Fiquei dois anos sem conseguir trabalho e aos 21 anos comecei dar aula de dança pra crianças e adolescentes foram quatro anos de glória porque encontrei oque eu amava fazer e as pessoas (crianças no geral) me tratavam com respeito, então entendi que as coisas poderiam mudar buscando um trabalho fixo e com seguridade aos 25 anos entrei pra trabalhar na prefeitura de Jandira onde fazem 20 anos que continuo como funcionaria pública. Quais as maiores conquistas e os maiores desafios em sua vida/carreira? Conquistar o respeito dos demais sempre foi um obstáculo a ser atravessado, provar que você é profissional que você tem talento foi sempre uma barreira que eu tinha que derrubar, mas sempre fui muito educada, prestativa, e disciplinada e essas qualidades me abriram portas maravilhosas consegui terminar o ensino médio fiz faculdade fiz curso de libras fiz curso de computação entre outros Ser uma pessoa trans foi dificultador ou não teve importância nesta sua trajetória? Como foi dificultador a gente aprende muito cedo que a intolerância e o preconceito vai ti marcar pra sempre e que é uma luta diária pra conquistar respeito e igualdade Para as pessoas e profissionais trans, que recado você deixaria? Não desistam, lutem sendo quem vocês são, mais cedo ou mais tarde o reconhecimento vem, Não desista nunca, não deixe que fechem portas que digam esse lugar não é pra você seja resistente, seja resiliente, seja forte Não podemos desistir jamais, cada pedra no caminho que seja usada pra construção do seu castelo E se ame acima de tudo acredite em você e nos seus sonhos eles se realizam ( Querer, poder e Conseguir). Em tudo que vivi aprendi que nunca devemos desistir dos nossos sonhos e objetivos também aprendi que tudo é conquistado através de dedicação e muito trabalho, mesmo com as dificuldades precisamos perseverar sempre Para a sociedade, qual recado você deixaria? Mais amor e menos ódio, aprendam a incluir o mundo é feito de diferenças e isso nos torna múltiplos e diversos, as pessoas só precisam de oportunidade e respeito, dêem isso e com certeza faremos uma sociedade mais justa. INSTAGRAM FACEBOOK MEU SPOTIFY MEU CANAL NO YOUTUBE



Compartilhar esta página
 

  • Whatsapp
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • LinkedIn


Conteúdo relacionado
 

.

.