.

.

Transformadores

.

Post 94

.

.

Postado:

Fonte:

05/08/22

Somos Diversidade

.

Formada em Técnico em Contabilidade. Atualmente Palestrante em Diversidade Sexual e de Gênero e a Cidadania LGBT+ e Agente de Prevenção de Saúde. Me chamo Taiane Miyake, socialmente me reconheço mulher transexual e politicamente travesti. Tenho somente o ensino médio completo, formada em Técnico de Contabilidade, autodidata em adereço, alegoria e fantasias para carnaval (escolas de samba). Sou Militante Independente, ativista, palestrante do segmento LGBT+, pesquisadora de gênero e busco em minha luta a atenção para a causa dos Direitos Humanos na cidade de Santos. Sou Agente de Prevenção de Saúde Voluntária, atuo em campo com travestis e mulheres transexuais trabalhadoras do sexo, fazendo a intervenção, estabelecendo vínculo e levando o conhecimento da Prevenção Combinada que associa os diferentes métodos de prevenção ao HIV/AIDS, às IST e as hepatites virais. Ex-Educadora de Par – Equipe PrEP (Profilaxia Pré-Exposição ao HIV) Santos, Projeto ImPrEP Fiocruz. Estive Coordenadora da Comissão de Diversidade Sexual de Santos, e em 2015, fui protagonista na indicação do Projeto de Lei Complementar que dá o direito de travestis e transexuais usarem o seu nome social nos órgãos públicos deste município, neste mesmo ano, também fiz a indicação de trazer para a cidade de Santos o ambulatório de saúde integral para travestis e transexuais que atende hoje no Hospital Guilherme Álvaro e que tem por competência atender as 9 cidades da baixada santista, no acompanhamento da hormonioterapia. Também fui a primeira detentora dos direitos da organização da primeira parada do orgulho LGBT em Santos realizada em 2018. Sou filiada a ANTRA-Associação Nacional de Travestis e Transexuais e estive Coordenadora Adjunta do Fórum Paulista de Travestis e Transexuais em São Paulo, Membro da Comissão de Diversidade Sexual e de Gênero da OAB Santos e da seccional Jabaquara em SP. Sou Formadora/Multiplicadora para Implementação da Política Nacional de Saúde LGBT – UnB – Universidade Nacional de Brasília e também fui Arte Educadora Social no Projeto ONG Tamtam, onde através da Oficina de reciclagem, pude conhecer mais sobre as pessoas com deficiência. Estou presidente do Secretariado Diversidade Tucana PSDB/Santos e estou concorrendo na próxima eleição, dia 15 de novembro de 2020, ao cargo de vereadora. Quais as maiores conquistas e os maiores desafios em sua vida/carreira? Na minha vida a maior conquista, foi sem dúvida a retificação do prenome na certidão de nascimento, ainda feita por processo judicial, apresentando laudo psicológico e fotos para comprovação da minha transição, receber a sentença final, onde o juiz lauda que Taiane Miyake a partir daquela data é um nome composto de fato de direito, foi o meu renascimento, um alívio em saber que não precisaria mais pedir por favor pra que fosse chamada pelo meu nome social. O maior desafio foi deixar a prostituição, pois a rejeição de estar num trabalho formal é recorrente na vida de uma mulher transexual ou travesti, pelo simples fato de sermos travesti ou transexual, não importa o nosso currículo, o primeiro olhar é sempre para o nosso corpo. Com relação a carreira, quando estive Coordenadora da Comissão de Diversidade Sexual de Santos, fui a protagonista de um projeto de lei municipal, sancionada em 2015, de respeito ao nome social de travestis e transexuais e neste mesmo ano, trouxe a Santos, o Ambulatório de Saúde Integral para Travestis e Transexuais com atendimento as 9 cidades da baixada santista. Ser uma pessoa trans foi dificultador ou não teve importância nesta sua trajetória? Foi dificultador sim. Como todas as outras histórias de vida de travestis e transexuais, também fui expulsa de casa por conta da minha identidade de gênero, pensei em suicídio, tive o sonho rompido de me graduar em comunicação social com habilitação em jornalismo, precisei me prostituir para poder me manter. Todas essas reveses da vida só me fortaleceu para ser a pessoa que sou hoje. Para as pessoas e profissionais trans, que recado você deixaria? Jamais desista de você, sorria cada vez que o mundo diz “não” e siga em frente com seu objetivo. Para a sociedade, qual recado você deixaria? Nós, Travestis e Mulheres Transexuais, também temos o direito a viver numa sociedade mais justa e igualitária e não somos somente um pedaço de carne nas esquinas. INSTAGRAM FACEBOOK http://lattes.cnpq.br/2396367587515548



Compartilhar esta página
 

  • Whatsapp
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • LinkedIn


Conteúdo relacionado
 

.

.